Quarta-Feira, 14 de Janeiro de 2015, 21h:06 A | A

Pesquisadora ítalo-brasileira diz que obra musical da veneziana Barbara Strozzi é atual

Curitiba – PR – Como e o que cantavam as pessoas cem anos após o descobrimento do Brasil? Existiam mulheres envolvidas na arte musical? Pelo menos nas camadas mais altas da sociedade, sim, já existiam mulheres envolvidas na apresentação e, também, na produção de espetáculos musicais. Uma delas foi a veneziana Barbara Strozzi. Filha adotiva, talvez ilegítima, de um juiz, poeta e libretista chamado Giulio Strozzi, ela deixou extensa obra musical, tendo como base a obra poética do pai.

Segundo a pesquisadora e teorbista Silvana Sacarinci, professora da Universidade Federal do Paraná e coordenadora do Lamusa - Laboratório de Música Antiga da mesma universidade, Até o século XVII, as cantoras não eram bem vistas pela sociedade. Mas com o advento da ópera se fez imprescindível a presença feminina nos palcos, possibilitando o surgimento da figura da “prima donna”.

Segundo ela, Anna Renzi foi a primeira cantora de grande sucessona história, apelidada de “Sereia do Tribre”, que veio de Roma para inaugurar o primeiro teatro público de Veneza, desempenhando o papel de “finta pazza” (louca fingida, em italiano).

Paralelamente ao sucesso das cantoras de ópera, surgiram – segundo explica Silvana Scarinci – mulheres musicistas dentro dos conventos. “Num espelhamento negativo à imagem das instituições oficiais religiosas, eram as cortesãs que entretinham os homens cultos das classes dominantes, com seu canto sedutor”. Ao contrário de outras mulheres da época, conta a pesquisadora que “eram as cortesãs as únicas mulheres que recebiam uma educação completa que as igualava aos homens em termos de conhecimento e liberdade de circulação numa sociedade masculina e bastante misógina”.

Barbara Strozzi – acrescenta Scarinci - foi uma refinada cantora e, mais surpreendentemente, autora de sua própria música”.

A música daquela época, ao contrário do que se poderia imaginar, desperta atualmente muita cuiriosidade. Inúmeros são os estudiosos que se dedicam a pesquisar a expressão miusical da época e a confirmar esse interesse estão os recentes concertos apresentados por Scarinci. No último trimestre do ano passado ela esteve em Porto Alegre, Blumenau, Curitiba e São Paulo apresentando o espetáculo denominado “As Primeiras Virtuoses da História da Música”, ao lado do cravista Marcos Holler, da soprano Márcia Kaiser e da soprano francesa Dominique Moaty, especialista em música barroca e professora do “Pòle Supérieure 93” e na “Maîtrise de Radio France”, em Paris. O programa fazia uma amostra do repertório das primeiras cantoras da história da música, que surgiram na Itália, no começo do século XVII.

Silvana Scarinci é gaúcha, radicada em Curitiba, e tem se dedicado à pesquisa da música antiga, mas também a uma verdadeira cruzada para tornar mais acessível o gênero a estudantes da rede pública. Em seis anos como professora do Departamento de Música da UFPR, Silvana montou seis espetáculos baseados em obras dos século XVII, todos inéditos no Brasil e com apresentações gratuitas. Entre eles “La Didone”, de Francesco Cavalli; “Didon”, de Henry Desmarest e “A Bela e Fiel Adiadne”, de Johann Georg Conradi. “A recepção emocionada deste repertório antigo por um público de crianças e adultos, vindos de diferentes esferas sociais, demonstra que obras daquele passado remoto falam diretamente à sensibilidade do homem contemporâneo, que, assim como no século XVII, se vê perdido num universo vertiginoso de descobertas velozes e estarrecedoras”, observa a musicista. Scarinci é autora do livro e CD “Safo Novella: uma poética do abandono nos lamentos de Barbara Strozzi (Veneza, 1619-1677).

Foto Desiderio Peron / Arquivo Revista Insieme

scarinci.jpg

A teorbista Silvana Sacarinci.

No vídeo que gravamos durante apresentação no Paço da Liberdade, em Curitiba, está uma das obras de Barbara Strozzi, intitulada “Begli Occhi”.

Mi ferite, oh begli occhi.
Pensate che farebbono
Quei baci si cocenti e mordaci;

Langue l'anima, langue
E il cor vien meno.
Ahi ch'io vi moro in seno.

Pensate che farebbono
Gli strali si pungenti e mortali;
Langue l'anima, langue
E il cor vien meno.
Ahi ch'io vi moro in seno.

Ma forse non morò
Senza vendetta
Ch'ai fin chi morte
Da la morte aspetta.

 

Postar um novo comentário

Captcha

Comentários

  • Comente esta notícia


Copyright © 2014 - SOMMO Editora Ltda - Fone/Fax (041) 3366-1469 - Caixa Postal: 4808 - CEP: 82960-981 - Curitiba/PR